Setembro Amarelo: por que falar sobre esse tema pode salvar vidas?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
setembro amarelo

Cuidar da saúde mental tem sido um dos principais focos dos brasileiros nos últimos anos e também em 2020. A pandemia do COVID-19 trouxe diversas mudanças para o cotidiano e de acordo com dados de um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), durante a pandemia os casos de depressão dobraram e os de ansiedade tiveram um aumento de 80%. Esse cenário exige mais cuidados com a saúde emocional e a campanha do Setembro Amarelo neste ano ganha ainda maior importância.

O Setembro Amarelo tem como objetivo conscientizar a população brasileira a respeito do apoio a pessoas que sofrem de transtornos emocionais que podem resultar em suicídio, como depressão, transtorno bipolar e até mesmo o vício em substâncias químicas. Ainda considerado um tabu por muitas pessoas, o suicídio ainda é a causa da morte de milhares de pessoas no Brasil todos os anos, e as doenças ligadas a esses casos podem, e devem ser tratadas e acompanhadas por profissionais da saúde. 

Por Que a Campanha Foi Criada? 

O mês de setembro foi oficialmente escolhido pela Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, em 2014 como o mês de prevenção ao suicídio. Já a cor amarela representa a valorização da vida. O intuito é fazer com que a população brasileira fique mais atenta a possíveis sinais de transtornos psicológicos em membros da família, amigos, colegas de trabalho e outras pessoas próximas.

De acordo com a ABP, cerca de 12 mil suicídios são registrados no Brasil todos os anos e 98,6% dos casos estavam associados à histórico de transtornos mentais. Ainda é comum que doenças psiquiátricas sejam menosprezadas pelas pessoas ao redor de quem sofre deste problema, por isso a relevância de uma campanha como o Setembro Amarelo. 

A psicóloga Rafaela explica como identificar precocemente os primeiros sintomas da depressão em si mesmo e quais profissionais da área da saúde devem ser procurados nesse momento:

”Os primeiros sintomas da depressão podem ser percebidos se forem notados com atenção: o indivíduo se sente desmotivado com as tarefas de seu cotidiano, com sensação de tristeza, falta de energia e vazio. Há redução ou aumento de apetite, insônia ou sonolência , além também de apresentar, em alguns casos, sintomas físicos como mal estar e taquicardia. Ao sentir esses sintomas ou notar eles em alguém próximo é necessários buscar ajuda com psicólogos e psiquiatras, em conjunto eles irão auxiliar no tratamento da depressão.”

Como Praticar o Autocuidado e Manter a Saúde Psicológica?

Manter uma rotina de cuidados com o corpo e com a mente é fundamental para evitar os sintomas iniciais da depressão. Cuidar de si mesmo e da própria saúde física e mental garante um vida mais leve, saudável e equilibrada. Alguns cuidados simples que podem ser tomados diariamente são:

  • Separe momentos do seu dia para praticar atividades que te descontraiam e aliviem a tensão: Meditar, caminhar, cozinhar, ler um livro, ligar para um amigo ou assistir seu programa de televisão favorito são opções que podem ajudar a equilibrar as emoções da rotina.
  • Praticar um exercício físico que seja agradável: A prática de exercícios físicos deve ser momento de lazer, descontração e relaxamento. Atividades físicas fazem com que o corpo libere endorfina, substância responsável pela sensação de bem estar. Procure uma atividade que faça você se sentir bem consigo mesmo.
  • Cuide da alimentação e da hidratação: Evitar alimentos gordurosos ou muito industrializados, investir em mais frutas e vegetais e manter-se hidratado constantemente são hábitos que fazem toda a diferença na rotina e nos cuidados com o corpo e a mente.

No entanto, além de todas essas atividades, o essencial é procurar o atendimento de um profissional da saúde especializado. Se você estiver sentindo sinais de ansiedade, depressão ou pânico, não hesite em procurar por ajuda psicológica através do Centro de Valorização da Vida – CVV (ligue gratuitamente para 188) ou de um profissional de sua confiança. 

VEJA TAMBÉM